Os 10 melhores livros de todos os tempos!

Bom dia pessoal! Hoje em dia há uma diversidade de livros e editoras. Todo dia são lançados vários livros e fazer uma seleção dos melhores não é uma tarefa fácil. Todo viciado em leitura que se preze, já pesquisou sobre o assunto e encontrou diversos sites que fazem a sua “seleção” dos melhores livros de todos os tempos ou indica qual livro que você deve ler antes de morrer rs…

Em busca de facilitar a nossa vida, fiz uma seleção de 10 livros baseados em diversas listas como: “The New York Times”, “Amazon”, “Le Monde”, “The New York Public Library”, “BBC”, “The Guardian”, “Modern Library”, “Time”, “Newsweek”, “Telegraph”, “Lists Of Bests”, “Wikipedia”, “Folha de S. Paulo”, “Revista Época”, “Revista Bravo”, “Livro da Oprah”, “lista de todos os Best Sellers da Wikipedia”e” Livros do século da Biblioteca pública de Nova Yorque”. Além dos sites revista bula, lazer da uol, mundo das tribos, educar pra crescer e o guia da semana.

Como vocês podem perceber, a lista foi grande e é com  imenso prazer que apresento os 10 melhores livros de todos os tempos!! Lembrando que esses livros aparecem nessas listas em ordem diferentes mas entre os primeiros! Vamos lá!

1º Lugar: GUERRA E PAZ – LIEV TOLSTÓI

Guerra-e-Paz“Milhões de pessoas praticaram, umas contra as outras, uma quantidade tão inumerável de crimes, embustes, traições, roubos, fraudes, falsificações de dinheiro, pilhagens, incêndios e assassinatos, como não se encontra nos autos de todos os tribunais do mundo em séculos inteiros […]. O que produziu tal acontecimento extraordinário?”. Empenhado em responder a esta pergunta, através da busca pela verdade histórica dos fatos, e em argumentar com os historiadores de sua época, que no seu entender resumiam os acontecimentos nas ações de algumas figuras poderosas, Liev Nikoláievitch Tolstói (1828-1910) escreveu um dos maiores romances da literatura mundial. Guerra e paz descreve a campanha de Napoleão Bonaparte na Rússia e estende-se até o ano de 1820. Baseado em meticulosa e exaustiva pesquisa — com fontes que vão dos estudos do francês Adolphe Thiers e do russo Mikháilovski-Danílevsk a testemunhos orais —, Tolstói reconta os episódios que culminaram na derrota francesa e retrata, à sua maneira, personagens reais, como o próprio Napoleão e uma série de comandantes militares.

2º Lugar: DOM QUIXOTE – MIGUEL DE CERVANTES

Dom-Quixote-de-La-Mancha

Dom Quixote de La Mancha não tem outros inimigos além dos que povoam sua mente enlouquecida. Seu cavalo não é um alazão imponente, seu escudeiro é um simples camponês da vizinhança e ele próprio foi ordenado cavaleiro por um estalajadeiro. Para completar, o narrador da história afirma se tratar de um relato de segunda mão, escrito pelo historiador árabe Cide Hamete Benengeli, e que seu trabalho se resume a compilar informações. Não é preciso avançar muito na leitura para perceber que Dom Quixote é bem diferente das novelas de cavalaria tradicionais — um gênero muito cultuado na Espanha do início do século 17, apesar de tratar de uma instituição que já não existia havia muito tempo. A história do fidalgo que perde o juízo e parte pelo país para lutar em nome da justiça contém elementos que iriam dar início à tradição do romance moderno — como o humor, as digressões e reflexões de toda ordem, a oralidade nas falas, a metalinguagem — e marcariam o fim da Idade Média na literatura.

3º Lugar: 1984 – GEORGE ORWELL

1984O  Grande Irmão (Big Brother) tudo ouve e tudo vê. Numa sociedade  socialista e totalitária, ele vigia a todos para que ninguém exerça seu individualismo ou tenha pensamentos perigosos contra o regime. Nesse  mundo, Winston Smith é um funcionário do Ministério da Verdade dedicado a manipular as estatísticas governamentais, que se envolve com Julia, uma funcionária do oficial Departamento de Ficção, que entre outras atividades produz pornografia para as massas. Os dois se apaixonam e se rebelam. “1984” foi publicado em 1949 com uma visão sombria de um futuro dominado por um regime ditatorial, vigilante e opressor. O livro surgiu num momento em que as duas superpotências – Estados Unidos e União Soviética – dividiam o mundo em suas áreas de influência. Orwell já havia explorado o tema do totalitarismo na obra “A Revolução dos Bichos” (1945), mas com um tom mais satírico na paródia que fez da revolução soviética e da era Stalin. Em “1984”, no entanto, ele nos mostra sua visão amarga de um mundo dominado pelo terrorismo oficial.

Lugar: CRIME E CASTIGO – FIÓDOR DOSTOIÉVSKY

CRIMERaskolnikov é um estudante que vive em precárias condições em São Petesburgo (Rússia). Sem dinheiro sequer para pagar o aluguel e se alimentar decentemente, ele planeja o assassinato de Alena, uma velha senhora agiota. Sua intenção não é apenas ficar com a fortuna dela para resolver seus problemas materiais, mas principalmente ter uma atitude altruísta ao livrar a sociedade de uma figura tão mesquinha e desprezível. Mas, ao colocar seu plano em ação, ele acaba tendo que matar, além de Alena, a meia-irmã dela que chega à cena do crime na “hora errada”. Ao invés de um romance policial, o que lemos em “Crime e Castigo” é uma profunda investigação psicológica dos personagens que vivem sob situações angustiantes de pressão moral e material. O romance foi lançado em 1866, numa época em que seu autor, o escritor russo Fiódor Dostoievsky, lidava com as perdas recentes de seu irmão e de sua primeira esposa e enfrentava sérias dificuldades para sobreviver. O sentimento de culpa e de autopunição de Raskolnikov até alcançar sua redenção está no âmago desse que é um dos melhores romances da riquíssima literatura russa.

5º Lugar: ORGULHO E PRECONCEITO – JANE AUSTEN

ORGULHOConsiderada a primeira romancista moderna da literatura inglesa, Jane Austen começou seu segundo romance, ‘Orgulho e Preconceito’, antes dos 21 anos de idade. Assim como em outras obras de Austen, o livro é escrito de forma satírica. ‘Orgulho e Preconceito’, pode ser considerado como especial porque transcende o preconceito causado pelas falsas primeiras impressões e adentra no psicológico, mostrando como o auto-conhecimento pode interferir nos julgamentos errôneos feitos a outras pessoas a autora revela certas e posturas de seus personagens em situações cotidianas que, muitas vezes, causam momentos cômicos aos leitores, dando um caráter mais leve e satírico ao livro. As emoções e sentimentos devem ser decifrados por quem decidir mergulhar na obra de Jane Austen, uma vez que encobertos nas entrelinhas do texto. A escritora inglesa apresenta seu poder de expressar a discriminação de maneira sutil e perspicaz em ‘Orgulho e Preconceito’; ela é capaz de transmitir mensagens complexas valendo-se de seu estilo a um tempo simples e espirituoso. O principal assunto do livro é contemplado logo na frase inicial, quando a autora menciona que um homem solteiro e possuidor de grande fortuna deve ser o desejo de uma esposa. Com esta citação, Jane Austen faz três referências importantes: a autora declara que o foco da trama será os relacionamentos e os casamentos, dá um tom de humor á obra ao falar de maneira inteligente acerca de um tema comum, e prepara o leitor para uma caçada de um marido em busca da esposa ideal e de uma mulher perseguindo pretendentes. O romance retrata a relação entre Elizabeth Bennet (Lizzy) e Fitzwilliam Darcy na Inglaterra rural do século XVIII. Lizzy possui outras quatro irmãs, nenhuma delas casadas, o que a Sra. Bennet, mãe de Lizzy, considera um absurdo. Quando o Sr. Bingley, jovem bem sucedido, aluga uma mansão próxima da casa dos Bennet, a Sra. Bennet vê nele um possível marido para uma de suas filhas. Enquanto o Sr. Bingley é visto com bons olhos por todos, o Sr. Darcy, por seu jeito frio, é mal falado. Lizzy, em particular, desgosta imensamente dele, por ele ter ferido seu orgulho na primeira vez em que se encontram. A recíproca não é verdadeira. Mesmo com uma má primeira impressão, Darcy realmente se encanta por Lizzy, sem que ela saiba do fato. A partir daí o livro mostra a evolução do relacionamento entre eles e os que os rodeiam, mostrando também, desse modo, a sociedade do final do século XVIII.Considerado a obra prima de Jane Austen, ‘Orgulho e Preconceito’ ganhou diversas versões para o cinema e televisão, a mais recente em 2005, com interpretações de Keira Knightley e Matthew Macfadyen nos papéis principais.

6º Lugar: ULISSES – JAMES JOYCE

Ulisses

Um homem sai de casa pela manhã, cumpre com as tarefas do dia e, pela noite, retorna ao lar. Foi em torno desse esqueleto enganosamente simples, quase banal, que James Joyce elaborou o que veio a ser o grande romance do século 20. Inspirado na “Odisseia”, de Homero, “Ulysses” é ambientado em Dublin, e narra as aventuras de Leopold Bloom e seu amigo Stephen Dedalus ao longo do dia 16 de junho de 1904. Tal como o Ulisses homérico, Bloom precisa superar numerosos obstáculos e tentações até retornar ao apartamento na rua Eccles, onde sua mulher, Molly, o espera. Para criar esse personagem rico e vibrante, Joyce misturou numerosos estilos e referências culturais, num caleidoscópio de vozes que tem desafiado gerações de leitores e estudiosos ao redor do mundo. O culto em torno de “Ulysses” teve início antes mesmo de sua publicação em livro, quando trechos do romance começaram a aparecer num jornal literário dos EUA. Por conta dessas passagens, “Ulysses” foi banido nos Estados Unidos, numa acusação de obscenidade, dando início a uma longa pendenga legal, que seria resolvida apenas onze anos depois, com a liberação do romance em solo americano.

7º Lugar: O SOM E A FÚRIA – WILLIAM FAULKNER

O-Som-e-a-Furia

Este romance, finalizado em 1929, marca o início da chamada “segunda fase” da carreira de William Faulkner (1897-1962) e é considerado sua obra mais importante. Vinte anos depois, o autor se consagraria definitivamente, ao receber o Prêmio Nobel de Literatura. O ambiente da escritura de Faulkner é o sul dos Estados Unidos, escravocrata e derrotado na Guerra da Secessão. O som e a fúria narra a agonia de uma família da velha aristocracia sulista, os Compson, entre os dias 2 de julho de 1910 e 8 de abril de 1928. Um apêndice, acrescentado pelo escritor em 1946, fornece outras informações sobre a história dos Compson entre 1699 e 1945. Assim, é possível afirmar que o grande personagem desta obra-prima é o tempo, o que lhe confere interesse universal.

8º Lugar: DIVINA COMÉDIA – DANTE ALIGHIERI

A-Divina-ComediaTexto fundador da língua italiana, súmula da cosmovisão de toda uma época, monumento poético de rigor e beleza, obra magna da literatura universal. É fato que a “Comédia” merece esses e muitos outros adjetivos de louvor, incluindo o “divina” que Boccaccio lhe deu já no século 14. Mas também é certo que, como bom clássico, este livro reserva a cada novo leitor a prazerosa surpresa de renascer revigorado, como vem fazendo de geração em geração há quase 700 anos.

9º Lugar: EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO – MARCEL PROUST

Em-Busca-do-Tempo-Perdido

Ciclo de sete romances do escritor francês, inter-relacionados e com um só narrador, dos quais os três últimos são póstumos: “O Caminho de Swann”, “À Sombra das Raparigas em Flor”, “O Caminho de Guermantes”, “Sodoma e Gomorra”, “A Prisioneira”, “A Fugitiva” e “O Tempo Redescoberto”. São dezenas de personagens que se cruzam em histórias de amor, ciúmes e inveja, na França da Belle Époque. A narrativa vai passando do detalhe ao painel e do painel ao detalhe sem projeções definidas, num constante reajuste de tudo aquilo que nunca será perfeitamente ajustado. A obra é um retrato da sociedade de uma época, um mergulho no universo da burguesia francesa que permite que o leitor sinta as divergências entre nobres e burgueses.

10° Lugar: CEM ANOS DE SOLIDÃO – GABRIEL GARCIA MÁRQUEZ

Cem-Anos-de-Solidao

“Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o Coronel Aureliano Buendia havia de recordar aquela tarde remota em que seu pai o levou para conhecer a fábrica de gelo”… Com essa frase antológica, García Marquéz, Prêmio Nobel de Literatura de 1982, introduz a fantástica Macondo, um vilarejo situado em algum recanto do imaginário caribenho, e a saga dos Buendia, cujo patriarca, Aureliano, fez trinta e duas guerras civis… e perdeu todas. García Marquéz já despontava como um dos mais importantes escritores latino-americanos, no início da década de 1970, quando “Cem Anos de Solidão” começou a ganhar público no Brasil. O livro causou enorme impacto. Na época, o continente estava pontilhado de ditaduras. Havia um sentimento geral de opressão e de impotência. Então, essa narrativa em tom quase mítico, em que o tempo perde o caminho, em que os episódios testemunhados e vividos acabam se incorporando às lendas populares, evoca nos leitores uma liberdade imemorial, que não pode ser arrebatada. E tão presente. Tão familiar e necessária.

Espero que essa lista possa estimular os leitores a ler e  conhecer essa rica literatura. Um estudo realizado pela Universidade de Liverpool, da Inglaterra, e divulgado em 2013, mostra como obras clássicas estimulam mais o cérebro do que literatura mais simples. Então mãos a obra!! Até mais!

Links para acesso as listas completas:
Revista bula
Lazer – uol
Mundo das tribos
Educar para crescer

 

 

 

 

Anúncios

7 comentários sobre “Os 10 melhores livros de todos os tempos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s